Siga o Boia

Receba atualizações do nosso blog.

Junte-se a 7 outros assinantes
Seguir
Categorias
Uncategorized

Boia 144

A história de uma vida, seja qual for, é a história de um fracasso.”
Jean-Paul Sartre , O ser e o nada.


Bela citação para começar a descrição do episódio semanal do podcast menos ouvido de todo gigantesco universo de surfeiros e curiosos.
Júlio Adler, Bruno Bocayuva e João Valente bravamente encaram uma gravação depois da longa noite australiana.
A mobilidade dos campeonatos em 2022 ainda espanta o entusiasta mais atento.
Ocasião perfeita para recordar 1979, quando Paul Holmes enfiou (opa!) num avião os 8 finalistas do maior campeonato do ano, junto da equipe de filmagem e todo corpo técnico para terminar um evento -fadado ao malogro- em ondas boas.
Quem ainda quer ver Mick Fanning se arrastando em ondas medíocres atrás de uma nota 5 ?
Eu quero.
Som desse Boia foi Aloha Got Soul, faixa Yesterday’s Love dos Aura para começar e terminamos com Robert Fripp, Seascape, do album Music for Quiet Moments.

Boia 239 Boia

Ladeira abaixo ? Nem terminou ainda a etapa de Sunset e o Boia desce ziguezagueando com a gunzeira, desviando dos clichês e evitando os quebra-molas. Bruno Bocayuva, João Valente e Júlio Adler trazem nesse episodio, o Almanaque com a nova obra do inquieto e genial Loïc Wirth, Imagem falada com Gary do Kong e papo reto de Paumalu, JJF na quilha, Robbo na borda, KS no fundo e Italo na brutalidade. A sonzeira fica com Andy Bey e Celestial Blues, Comin' Thru e Chali 2na, terminando com Durand Jones & The Indications e Love Will Work It Out. Última paradinha, meu camarada, usa o código, boiapodcast30 e ganhe 30% de desconto na South To South no https://www.southtosouth.com.br/ — Send in a voice message: https://podcasters.spotify.com/pod/show/boia/message
  1. Boia 239
  2. Boia 238
  3. Boia 237
  4. Boia 236
  5. Boia 235
Cheyne Horan curtindo a Coca como nunca… LINK para materia aqui
Capa do Tracks em 1979

6 respostas em “Boia 144”

Salve Júlio, João e Bruno! O podcast 144 tá excelente! Primeiro gostaria de concordar com o João Valente sobre a WSL adorar wildcard, parece até que o critério esportivo é um estorvo. Em segundo lugar, eu que não vi ao vivo o primeiro dia, só vi o replay no formato condesed heat, e estou ouvindo o podcast um dia depois de ver a bateria em que o Mick Fanning despachou o Kanoa (onde eu vibrei como moleque), e bagunçar o ranking, fiquei refletindo como Cronos é a divindade grega mais impiedosa. Em terceiro, putz não consigo achar como estas mudanças de regras da WSL podem representar algum avanço pro surf. A começar pelo fim do Seeding rotativo pra quem vence no primeiro round. O fim desta regra vai ser a responsável pela desclassificação do Chianca no corte (provavelmente o mais talentoso rookie deste ano), e provavelmente vai trazer mais um confronto dele com o John John em Margareth. Além do mais, a classificação pro Challenger não refresca a situação do surfista profissional em nada, são noventa e seis surfistas (só contando os homens), em sete dias de janela, o que significa surfar em QUALQUER CONDIÇÃO MESMO; eu assisti o ano passado e foi triste ver o quanto a sorte prevaleceu. Obs.: Eu não sei exatamente os números, mas parece que a premiação é uma merda, e que quem não tiver patrocínio de peso não vai conseguir correr todas as etapas… O Raoni já está fazendo vaquinha virtual….

Mesmo corrido esse episódio foi maneiro!

Viram a matéria da Stab sobre a petição dos atletas? Eu não vi mas estou curioso. Será que os caras vão boicotar a próxima etapa?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *